A Respeito Da Inteligência Artificial E A Estupidez Artificial. — Marc Vidal

Ontem, lia a notícia de que um cineasta americano abriu um perfil no Tinder uma ‘robô sexual’ com imagens que deixavam claro que não era um ser humano e se uma espécie de brinquedo erótico bastante realista. Em apenas alguns minutos conseguiu quase uma centena de pretendentes.

O autor do ‘experimento’ decidiu responder a todos eles fazendo-se atravessar por menina sintética e propondo um encontro sexual com eles. A metade confirmaram o interesse mútuo e creram na verdade, estar conversando com uma espécie de inteligência artificial especializada em conversas ‘quentes’.

  1. Bcdefghijklmnñopqrstuvwxyz (disc. · contr. · num lock.)
  2. Registado: Vinte e um set 2003
  3. Armadura coração de ferro de Avataars: Covenant of the Shield
  4. Controle: – Controle Sixaxis sem fio (1º, 2.ª e 3.ª geração (de 40 GB))

Esta notícia não deixa de ser uma curiosidade sociológica que mostra o passado de voltas que irão alguns para a existência e que estariam dispostos a conservar relações até com um tubo de escape. Todavia, há outra que é aurora boreal e que, eventualmente, seja digna de observação por parcela dos meios de intercomunicação e do jeito em que mudam outras notícias de tipo tecnológico.

Acontece que há um par de semanas, a imprensa de meio planeta formou como ‘um ato sem precedentes, que o robô Pepper ter comparecido diante o Parlamento Britânico, tornando-se o primeiro homem a ser interrogado por parlamentares em o mundo todo’.

A divisão de ser balela a primeira afirmação é falsa e a segunda. Nem era o primeiro robô que comparecia diante um parlamento (só é necessário fazer uma simples procura na rede), nem ao menos foi interrogado. Se destacou pelo seu funcionamento é de um cafona supino. Ver a ‘seus deputados” em uma conversa preparada e perguntando robotillo sobre o assunto tuas habilidades de debate a respeito do futuro da convivência com os seres humanos é de desgraça alheia, se não fora até já nocivo.

É danoso aprensentar uma série de avanços que não existem e que, por ventura, não exisitirán jamais dessa forma. A inteligência artificial é qualquer coisa muito mais sério do que essa encenação. Há quem se descojona com o cenário. Daí que seja curioso colocar o conteúdo em seu honesto território, por duas razões. Depois nós a temos visto numa entrevista muito divertida com Will Smith em que ele explicou corretamente que a pesquisa de respostas não é mais do que isso, pesquisa de respostas ou simulações de sensações.